11/11/14 (terça)

MESA 2 – Teoria do cinema de autoria feminina e Documentaristas brasileiras

10 às 11h: Esther Hamburger (USP) – “Expressões Audiovisuais de Relações de Gênero”

Resumo: Pretendemos situar a discussão do tema que perpassa a realização e o debate pós-estruturalista nos campos do Cinema e da Televisão desde os anos 1970. O trabalho seminal de Laura Mulvey em 1975, e suas reverberações críticas nos Estudos Culturais chegando ao pós Laura Mulvey. O trabalho levanta contribuições em outras linhagens, especialmente em pensadores associados à teoria crítica, como Miriam Hansen, em busca de se entender os desafios postos para o enfrentamento do problema nos dias de hoje.

11:15 às 12:15h: Karla Holanda (UFJF) – “Documentaristas brasileiras no período da ditadura e hoje”

Resumo: Um número expressivo de documentários dirigidos por mulheres no período da ditadura estava em sintonia com a agenda feminista do período. De maneira geral, tais documentaristas não se colocavam diretamente na narrativa, diferentemente de diretoras contemporâneas que empregam um caráter autobiográfico em seus filmes enquanto abordam aquele período.

MESA 3 – Autoria feminina como objeto estético e político

15 às 16h: Marina Tedesco (UFF) – “Trajetória das personagens femininas nos filmes da cineasta peruana Nora de Izcue”

Resumo: O primeiro filme da realizadora peruana Nora de Izcue, Encuentro (1967), traz às telas uma mulher da alta sociedade que sente um grande vazio em sua vida. Logo em seguida, com sua virada para o cinema político e inserção no Nuevo Cine Latinoamericano, as protagonistas femininas desapareceram da obra da diretora, retornando apenas a partir dos anos 1980.  Discutiremos como se dá essa nova aproximação de Izcué com as personagens femininas, tanto em suas produções ficcionais como documentais.

16:15 às 17:15h: Daiany Dantas (UERN) – “Corpos visíveis: performances da carne no cinema autobiográfico de mulheres”

Resumo: Esta apresentação analisa o agenciamento material do corpo gendrado presente na produção audiovisual de duas diretoras contemporâneas: Naomi Kawase e Petra Costa. Com enfoque em seu repertório autobiográfico, do qual emerge a presença do corpo orgânico e seu devir de gênero, observamos a forma como este se constitui nas dimensões fílmicas da performance e da espectatorialidade.  Nosso referencial teórico alinha-se aos estudos feministas que contemplam a relação entre performance, performatividade e feminismo material e ao pensamento filosófico de Jacques Ranciére, em sua  abordagem estético-política.

17:30h: Mostra filmes de pesquisadoras

Toque de samba” (Mariana Tavares e Vanessa Resende, 15’, 2014)
Kátia” (Karla Holanda, 74’, 2012)

 

 

rodapé 3

Anúncios